Embriagado de Amor - Crítica

Eaí pessoal, tudo bem? Aqui é o Gustavo de A Cantina de Star Wars.

Adam Sandler é um ator que gera discussões entre cinéfilos e é extremamente odiado pelos seus filmes de comédia pastelão, piadas sexistas e preconceituosas e péssimas atuações, eu particularmente não gosto dos filmes dele, desde Cada Um Tem A Gêmea Que Merece eu parei de dar chances pra filmes novos dele, sempre que eu vejo que um filme tem ele ou é do seu estúdio, Happy Madison, eu nem assisto. Eu estava estudando a carreira dele pra ver se dava pra tirar alguma coisa boa da filmografia, pois nem tudo que ele fez é ruim, então me deparei com uma indicação ao Globo de Ouro como Melhor Ator em Comédia ou Musical, e isso despertou minha curiosidade. Ele é protagonista de um filme do diretor Paul Thomas Anderson (Magnólia, Sangue Negro, Vício Inerente), a comédia romântica Embriagado de Amor.




Embriagado de Amor conta a história de Barry Egan (Adam Sandler), um cara solitário, dono de um pequeno negócio, irmão de sete mulheres e muito reprimido emocionalmente, sendo um cara extremamente tímido com acessos de raiva. Então ele é apresentado pra uma amiga de uma de suas irmãs, Lena Leonard (Emily Watson), uma garota interessada nele desde antes de conhece-lo e por quem Barry se apaixona loucamente, mas seu romance é atrapalhado por um grupo de chantagistas.

O filme em si não é ruim, mas seu andamento é meio arrastado, o filme tem 1 hora e 35 minutos e a história de amor começa a desenvolver quase na metade do filme, o filme te deixa curioso, mas não envolvido com o personagem principal, ele apenas desperta o interesse pelo romance depois que Barry decide ir atrás de Lena. O subtrama do Barry sendo chantageado por uma empresa de tele-sexo que ele entre em contato no começo do filme só pra ter com quem conversar é muito desnecessário e atrapalha o filme, o forte do filme é o romance entre Barry e Lena, mas parece  que se perde mais tempo com esse subtrama do que com a história principal. Porém a treta entre Barry e essa empresa que acaba gerando uma boa atuação do Adam Sandler, que em seus momentos de nervosismo ele entrega uma boa atuação.


É um filme é bem dirigido, mas traz uma história pouco interessante, ela tenta encaixar um simbolismo com um pequeno piano, que não funciona no filme, o personagem desnecessariamente mente e faz coisas erradas, mas acaba se dando bem no final. Escrito pelo próprio Paul Thomas Anderson, a fotografia do filme é muito bonita, o filme tem algumas transições com cores dançando na tela que ficou fantástico, e o jogo de câmera é bem elaborado, com câmera tremendo e mexendo rápido em momentos de nervosismo, pra aumentar a tensão, com uma trilha sonora que colabora. O elenco conta com Philip Seymor Hoffman (vencedor do Oscar por Capote, que infelizmente já nos deixou) como dono da empresa chantagista, que traz uma discussão tensa entre ele e Sandler, gerando duas boas atuações, mesmo num diálogo que não faz o menor sentido pro filme.

Diferente dos demais filmes de comédia romântica que existem por aí, o filme é repleto de erros e acertos na mesma medida, o público acostumado com os outros filmes de Adam Sandler estranham bastante essa obra, mas os críticos reconheceram e ele tem a incrível marca de 79% de aprovação dos críticos no Rotten Tomatoes, é o filme com maior aprovação que traz Sandler como protagonista, além de ter sido indicado ao Globo de Ouro, Anderson levou o prêmio de Melhor Diretor no Festival de Cannes. Curiosamente, Adam Sandler perdeu o prêmio de Melhor Ator em Comédia ou Musical pro Richard Gere, que levou o prêmio por Chicago (vencedor do Oscar de Melhor Filme em 2003).


Eu não vou dizer que recomendo esse filme, mas também não vou dizer "não assista", fica a seu critério decidir se esse filme merece sua atenção. Apesar de ser uma comédia, ela não tem cenas propriamente engraçadas, a ironia das situações torna o filme cômico, existe diferenças entre comédias que te fazem rir de comédias que te fazem refletir. Minha opinião sobre esse filme é indiferente, não desgostei, mas também não gostei, valeu mais pra apreciar a produção do que o filme em si. Se você já assistiu, diz aí o que você acha.

Embriagado de Amor (Punch-Drunk Love, 2002)
Direção: Paul Thomas Anderson
Elenco: Adam Sandler, Emily Watson, Philip Seymor Hoffman, Mary Lynn Rajskub, Luiz Gusmán, Robert Smigel

Nota: ⭐⭐⭐

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Seu Blog Aqui - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Renata Massa | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo